(11) 3085-7488
0item(s)

Nenhum produto no carrinho.

Leilão 11 de Dezembro 2017

Product was successfully added to your shopping cart.

Lasar Segall

1891 à 1957

Biografia
Pintor, escultor, desenhista e gravador, Lasar Segall nasceu em 1891 em Vilna, na Lituânia. Em 1906 emigrou para a Alemanha e estudou na Academia de Belas Artes de Berlim entre 1907 e 1909, quando foi desligado por ter participado da Freie Sezession - uma exposição de artistas descompromissados com a estética oficial - na qual conquistou o Prêmio Max Liebermanu. Em Dresden, em 1910, realizou sua primeira mostra individual, com pinturas ainda fortemente marcadas pelo Impressionismo de Liebermann. Tinha Segall cerca de vinte anos quando começou a se afastar gradativamente da influência de Liebermann e se aproximar do Expressionismo. Sempre em busca de novos caminhos,viajou, em 1912, nos Países Baixos, e em 1913 aventurou-se até o Brasil, onde realizou sua primeira exposição de arte moderna. No mesmo ano retornou à Alemanha e em 1914, cidadão russo que era, foi internado num campo de concentração. Essa amarga experiência lhe serviria, anos mais tarde, na abordagem de alguns de seus quadros mais trágicos, inspirados pela guerra de 1939. Até 1923 Segall permaneceu na Alemanha, onde publicou quatro álbuns de litografias e águas-fortes e realizou exposições individuais em Hagen (1920), Frankfurt (1921) e Leipzig (1923). A Alemanha vencida proporcionou-lhe campo propicio ao trágico e rude Expressionismo de sua mocidade. Aos 32 anos, já senhor de sua técnica, praticava urna temática pessoal: velhos leitores do Talmude, camponeses e mendigos, indigentes e crianças, evocações da terra natal e retratos de parentes e intelectuais, auto-retratos. Seu desenho é incisivo e anguloso; o colorido, forte e cru,o corpo humano é deformado de modo a melhor evocar paixàµes e sofrimento. Em 1923, decidiu voltar ao Brasil, radicando-se definitivamente em São Paulo, onde, no ano seguinte, efetuou nova mostra individual, e realizou a decoração do pavilhão de Arte Moderna de Dona Olivia Guedes Penteado. Deu início à s pinturas de temática brasileira - mulatas com filhos ao colo, marinheiros e prostitutas, favelas e bananeiras - expostas em 1926 em Berlim, Dresden e Stuttgart, em 1927 em São Paulo em 1928 no Rio de Janeiro. Em 1929 Segall passou a esculpir, em madeira, pedra e gesso, as mesmas figuras sofridas e solitárias que já eternizara em pinturas, desenhos e gravuras. Após ter realizado uma exposição em Paris, em 1932, Segall fundou, com outros artistas, a Sociedade Pró-Arte Moderna SPAM - da qual foi, por assim dizer, a alma. Duas de sua series mais importantes de pinturas tiveram inicio em 1935: as interpretações da natureza de Campos do Jordão e os Retratos de Lucy (sua jovem aluna Lucy Citti Ferreira). Foram intervalos de calma, nos quais vibram tonalidades líricas. Em 1936, porém, o artista voltou à antiga ambiguidade de tragédia e solidão,foi a época de suas primeiras pinturas de temática social que lhe garantiram um lugar de destaque entre os principais expressionistas do século. Essas pinturas preludiam a iminente conflagração mundial, os massacres, o genocídio, Progom , Guerra, Campo de Concentação. Os Condenados e as gravuras do álbum Visàµes de Guerra (1940-1943) compàµem uma dramática seqüencia de sofrimento, raras vezes expresso, em obras pictóricas, de modo tão intenso e profundo. Uma grande exposição realizada em 1943 no Museu Nacional de Belas-Artes, no Rio de Janeiro (não sem incidentes criados pelos pintores tradicionalistas ou acadêmicos), colocou definitivamente Segall entre nossos maiores artistas. Em 1944 a temática das prostitutas, que vinha desde os tempos da mocidade em Berlim, de novo irrompe nas gravuras do álbum Mangue. A mesma temática ressurge numa de suas últimas séries de pinturas, 4s Erradias, de 1949. Neste mesmo ano, tem inicio uma nova fase, interrompida pela morte em 1957: As Florestas. Lasar Segall é tipicamente expressionista. Enquadrando-se como artista de técnica e temperamento europeus, pode também ser considerado brasileiro, não só porque viveu entre nós vários anos, chegando mesmo a se naturalizar, mas porque se inspirou em nossa gente e em nossas coisas, chegando, em certos momentos, a ser tocado pela luminosidade tropical. Foi excepcional como pintor, como desenhista, como gravador - nas três técnicas - e como escultor, Além do mais, contribuiu poderosamente para a implantação da arte moderna em São Paulo e no Brasil, cujos limites culturais alargou.

Direção Ascendente

1 Produto(s)

Direção Ascendente

1 Produto(s)